Lua Cheia de Dezembro/2016

15356946_1352866661414334_1909558607_n

A última Lua Cheia do ano (13/12/2016 às 22:06) nos pede uma magia de fé. Nessa noite faça uma lista com todos os seus desejos realizados durante o ano. Enterre um grão de qualquer espécie para cada desejo realizado. Agradecendo a Natureza . Lembre de pedir a renovação da sua fé, para que no próximo ano você possa plantar muitos .

Tenha um maravilhoso dia.

Bjs

Paulo Callegari

Email- karantarologo@gmail.comWhatsApp- 11 99193.0015Skype- carlos_karanFacebook- Carlos Karan IIICursos Karan- 11 - 98420.2077 (1)

Como surgiram os nomes dos dias da semana 

img_como_surgiram_os_nomes_dos_dias_da_semana_10187_orig

Na língua portuguesa, a origem dos nomes dos dias da semana vem da Idade Média. O domingo, derivado do latim “dies Dominica”, dia do Senhor, é considerado o último da semana para os cristãos. Ou seja, o sétimo, quando Deus descansou da criação do mundo. Era no dia da missa que havia maior aglomeração de pessoas e, por isso, os agricultores se reuniam em torno da igreja para vender seus produtos – o primeiro dia de feira. O dia seguinte, consequentemente, era o segundo, a segunda-feira. E daí por diante até chegar o sábado, cuja origem é o termo hebraico shabbatt, considerado o último da semana para os judeus.

Essa relação da feira com a missa deu origem também a outras palavras. “O termo latim fillius ecclesiae significa filho da Igreja, da assembleia. Ele originou as palavras ‘freguesia’, como ainda denominamos algumas paróquias, e ‘freguês’, do comércio”, explica o professor José Augusto Carvalho, linguista, professor do Departamento de Línguas e Letras da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Em alguns outros idiomas ocidentais, o padrão adotado é diferente e segue os nomes dos planetas. Os primeiros descobertos pelos astrônomos são, na ordem, Saturno, Júpiter, Marte, Vênus e Mercúrio. Colocando a Lua por último e o Sol no centro do sistema, a ordem astrológica fica: Saturno, Júpiter, Marte, Sol, Vênus, Mercúrio e Lua. O próximo passo é analisar como ficou então a sequência dos dias. “Quatro é considerado um número cabalístico, pois são quatro elementos da natureza, quatro estações do ano e muitas outras coisas são organizadas dessa forma”, explica o professor José Augusto Carvalho.

Usando, portanto, o número quatro, e contando a partir de Saturno, o primeiro planeta conhecido, chega-se ao Sol, do inglês Sun – Sunday, o primeiro dia da semana. Para o segundo dia, começa-se a conta em Sol e chega-se ao quarto que é Lua – Moon – Monday. E assim até Saturday, sábado, de saturno. Porém, em inglês, Tuesday, Wednesday, Thursday e Friday diferem dessa lógica, oriundos da mitologia nórdica.

A terça-feira, Tuesday, é um termo oriundo de Tyr – deus da Guerra. Thor por sua vez, origina Thursday, a quinta-feira. O pai de todos, Odin, inspira Wednesday, a quarta. E, finalmente, a sexta é consagrada à deusa Freya, de onde veio Friday.

Em espanhol, francês e italiano, os dias também são contados pela ordem astrológica, mas sábado e domingo seguem a mesma lógica do português.

Fonte: http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/fundamentos/como-surgiram-nomes-dias-semana-494619.shtml

14218113_1170642489646092_465038785_n

Magia dos Nós

nosDesde que o homem deu o primeiro nó, este fascínio inspirou obras de arte e literatura, até chegar à religião onde tomou forte significado.

As referências religiosas de nó aparecem em quase todas as religiões, incluindo:

Católica – era tradicional quando chamando um santo católico a se ligar com uma pessoa, esta desse um nó para solicitar o contato.

Islã – no Islã Maomé foi curado por um nó e, morreu devido à maldição. A descoberta de desatar o nó quebrou a maldição de salvar a vida de Maomé. No Islã amarrar um nó na barba iria proteger do mau olhado. E enquanto nós em mar seria amarrado para acabar com ventos fortes e violentos. Também é proibido ter qualquer nó na roupa se for visitar Meca.

Budista – de acordo com o dicionário de Símbolos (Dicionário Penguin), a desvinculação de um nó é referido como um “processo de libação”.

Hinduísmo – nós são comumente associados com os deuses da morte. Em sociedades históricas o nó surgiu e foi registrado sua utilização nas culturas, e também desempenharam um papel importante em suas mitologias. Usados nos casamentos, e por tecelões como símbolos de união. Presos sobre a cabeça para evitar ataques do mal.

 Em magias e superstições a amarrar e desamarrar dos nós tem grande importância e pode ser usado para curar e orar.

A magia de nós tem suas origens há pelo menos 4.000 anos, quando as tabuletas cuneiformes foram confeccionadas no Oriente Próximo, descrevendo vários tipos de magia que envolve o uso de nós.

Apesar de ser conhecida em todas as culturas e provavelmente por todas as eras, a magia de nós está caindo em desuso atualmente e corre o risco de ser completamente esquecida.

Por que deveria uma forma de magia global, simples, prática e eficaz ser esquecida? Provavelmente pelo simples fato de ser simples e prática. Na maioria das vezes a magia tem sido adornada em rituais que beiram o absurdo: algo muito simples era desdenhado por aqueles que aprenderam rituais pomposos e estilizados.

A magia de nós ainda é tão poderosa quanto em 2000 a. C. e ainda pode ser utilizada hoje em dia com bons resultados.

Há muitos “remanescentes” da magia de nós na cultura contemporânea. Um dos focos de “remanescência” é o folclore, num costume ou superstição praticado ou lembrado por pessoas que esqueceram suas origens.

Por que amarramos um barbante ao redor de um dedo para nos lembrarmos de algo importante, por exemplo? O que exatamente significa a expressão em inglês “he’s bound to do it”? (“Ele está destinado a isso”, ou, literalmente, ele está ‘amarrado’ a isso”.)

Atar um nó de forma concreta, física, a uma ideia, concepção ou pensamento abstrato. Portanto, quando ata um nó ao redor de seu dedo, pensando na coisa que deseja lembrar posteriormente, você está estabelecendo uma conexão em sua mente entre nó (o físico) e o pensamento de que precisa se lembrar (o mental). Num plano mais mágico, você ata o nó não para se lembrar do assunto, mas para ter certeza de que você irá se lembrar dele.

A magia não é a repetição vazia de palavras e gestos; é uma experiência envolvente, com alta carga emocional, na qual as palavras e gestos são utilizados como pontos focais ou chaves para liberar o poder que todos nós possuímos. 

Fonte:

Como usar o Nó em Magia

http://www.circulosagrado.net/cs/magia/magianatural/magianos.php

14218113_1170642489646092_465038785_n

Canção para Odin

falando-com-as-runa-1

A FALA DO MAIS ALTO

Vi-me suspenso naquela árvore batida pelo vento

Ali pendurado por nove longas noites

Por minha própria lâmina ferido

Sangrando para Odin

Eu, numa oferenda a mim mesmo

Atado a árvore

que homem nenhum conhece

para onde vão suas raízes

Ninguém me deu de comer

Ninguém, me deu de beber

Perscrutei as mais terríveis profundezas

Até vislumbrar as runas

Com grito estentóreo as ergui

E então, tonto e desfalecido caí

Bem estar eu conquistei

E também sabedoria

Cresci, alegrando-me de meu crescimento

De uma palavra a outra palavra

Fui levado a uma palavra

De um fato a outro fato

A Edda poética cerca de 1200 d.C.

OSTARA – Equinócio de Primavera

falando-com-as-runa-1

OSTARA – Equinócio de Primavera – Por volta de 21 de Setembro

downloadCelebra o nascimento da Primavera e o despertar da vida na Terra.  Renascimento da natureza, vitalidade e alegria. Ostara era a deusa teutônica da aurora e da fertilidade, equivalente a Eostre, a deusa anglo-saxã regente da primavera. O festival comemora o fim do inverno e o renascimento da Natureza, com a volta da fertilidade, da vitalidade e da alegria. Ovos pintados com símbolos de prosperidade ou tingidos de vermelho eram usados como amuletos da sorte, oferecidos de presente a familiares e amigos ou enterrados nos campos, para transferir sua fertilidade para a terra. As mulheres assavam pãezinhos em forma de lebres ou os confeitavam com rodas solares, compartilhando-os com outras pessoas e oferecendo-os aos seres da Natureza, com pedido de fertilidade e vitalidade. O animal sagrado de ambas as deusas era a lebre, associada à Lua e renomada pela sua proliferação. Os nomes Ostara e Eostre deram origem à denominação da Páscoa em alemão (Ostern) e inglês (Easter), ao hormônio feminino da fertilidade (estrógeno) e ao cio (estrum). Seus atributos mágicos foram adotados como objetos festivos e de decoração na Páscoa cristã, sem que a igreja explicasse a enigmática relação entre o coelho, ovos e Jesus. Reverenciam-se nessa data também as deusas Idunna (doadora das maças do rejuvenescimento), Nerthus, Erda (fertilidade da terra), Freyja (regente da sexualidade), Sjofn (para trazer amor) e Frigga, Berchta e Holda (senhoras do tempo e protetoras dos recém nascidos); no entanto, o Blot deve ser dedicado a Ostara. O tema principal desse festival é a bênção das sementes, os novos projetos ou começos, encantamentos para fertilidade (física, material, mental) e renovação, bem como práticas de equilíbrio e complementação dos opostos (polaridades internas ou externas). Preparam-se canteiros, vãos e situações para receber e nutrir as sementes de novas plantas, ou projetos. Os ovos pintados (devem ser usados galados ou caipiras, em vez de ovos de granja, desprovidos de energia vital) são ofertados para a terra, os deres da Natureza e as divindades; colocados nos altares ou dados de presente. As runas correspondentes são Berkano e Erda (a fertilidade da terra), Ehwaz (mudança, vida nova) e Laguz (crescimento dos brotos). O sinete mágico reproduz o ovo cósmico ou as sementes brotando.

Fonte: Mistérios Nórdicos (Deuses. Runas. Magias. Rituais.) de Mirella Faur. Editora Pensamento.

 

Confecção das Runas

Falando com as Runa (1)

Você pode confeccionar suas runas usando semente, madeira, pedras, cristais, osso, couro, conchas, etc.

O ideal é usar um material o mais natural possível e que seja fácil de gravar ou pintar os símbolos rúnicos.

Faça um saquinho ou caixinha para guardá-las e sempre deixe um cristal de ametista junto as suas runas para transmutação das energias.

 A ametista além de aumentar a intuição transmuta a energia entre uma consulta e outra.

Faça deste trabalho um ritual, se conectando com os Deuses das Runas e desenvolvendo sua intuição (procure trabalhar em uma fase de Lua Crescente ou Cheia).

Como amante das runas e artesã eu mesma confecciono as minhas. Tenho uma coleção, acredito que são 11 os jogos que tenho até agora.  Vou dar um passo a passo pra que vocês possam fazer a de vocês.

 Runas de MadeiraFeitas de cabo de vassoura

Um galho de árvore ou cabo de vassoura (lembre de pedir licença se for cortar um galho de uma árvore).

Corte/serre em rodelas e lixe com uma lixa para madeira.

Limpe pra tirar o pó e grave os símbolos com um pirógrafo ou com tinta acrílica (eu prefiro tinta brilhante), você pode usar a cor azul para uma conexão maior com Odin ou vermelho para uma maior conexão com Thor.  Ou use a cor que sua intuição mandar.

Depois deste processo passe de  uma a duas demão de verniz. Pode ser usado verniz geral ou vitral (o vitral demora mais pra secar). Ou sele com cera de abelha.

Estão prontas suas runas!

Runas de Semente

Olho de boi e sucupira são as mais comuns, o procedimento é o mesmo que o usado na de madeira. Tomando o cuidado pra não molhar as sementes, pois estas se estragam. Lembrando que as de olho de boi escurecem com o tempo.

Runas de Cristais e Vitrilho

Nestas usa-se verniz vitral colorido. Usando um pincel fino (destes para contorno) pra fazer os símbolos. Deixe – as secar muito bem e após leve ao forno convencional a 180 graus por 30 minutos. Isso fará com que fixe a tinta. Vai clarear um pouco mas é normal.

Runas de Conchas, Búzios e Pedras (calcita ou de jardim)

Use tinta acrílica e passe verniz spray por cima.

O material que se pode usar em runas é extenso, estes são só algumas idéias.

Divirtam-se!

Oração a Santa Sara

coração cigano

Santa Sara minha protetora.

Cubra-me com seu manto celestial.

Afaste as negatividades que porventura estejam querendo me atingir.

Santa Sara, protetora dos ciganos, sempre que estivermos nas estradas do mundo, proteja-nos e ilumine nossas caminhadas.

Santa Sara, pelas forças das águas, pela força da Mãe-Natureza, esteja sempre ao nosso lado com seus mistérios.

Nós, filhos dos ventos, das estrelas, da lua cheia e do pai-sol, pedimos a sua proteção contra os inimigos.

Santa Sara, ilumine nossas vidas com seu poder celestial, para que tenhamos um presente e um futuro tão brilhantes, como são os brilhos dos cristais.

Santa Sara, ajude os necessitados; dê luz para os que vivem na escuridão, saúde para os que estão enfermos, arrependimento para os culpados e paz para os tranquilos.

Santa Sara, que o seu raio de paz, de saúde e de amor possa entrar em cada lar, neste momento.

Santa Sara, dê esperança de dias melhores para essa humanidade tão sofrida.

Santa Sara milagrosa, protetora do povo cigano, abençoe a todos nós, que somos filhos do mesmo Deus.

(Ana da Cigana Natasha)